domingo, 16 de fevereiro de 2014

O rádio em São Borja: Parte IV - RÁDIO FRONTEIRA FM

Texto extraído do livro Memórias Sobre a Imprensa em São Borja, organizado pela Profa. Dra. Cárlida Emerim. (Fotos arquivo pessoal)


Rádio Fronteira FM

Logotipo na inauguração

Oinicio da implantação da rádio FM em São Borja se confunde com um momento propício para este tipo de emissora no Brasil e no mundo. Na década de 80 as rádios FM começaram a se expandir em todo o território nacional e esse movimento fez com que o empresário da Empresa Samborjense de Comunicações Ltda, Roque Auri Andres, vislumbrasse um novo canal de entretenimento, visto que a empresa já tinha um canal de rádio AM, a Cultura AM, e um jornal, a Folha de São Borja.



Estúdio da Fronteira FM.



Segundo o radialista José Antonio Degrazia, primeiro diretor da Fronteira FM, ao mesmo tempo em que Andres queria a emissora receava com sua implantação: “O Roque sempre tinha a idéia de montar uma FM, mas ele sempre postergava. Certa vez, veio um locutor de Porto Alegre chamado José Francisco Portela, o Jucata, natural de São Borja, que na época trabalhava na Rádio Guaíba, incentivou a implantação de uma FM em São Borja. Ele dizia ao Roque ‘tem que botar uma FM, tem que botar uma FM’. Aí o Roque decidiu”.

Depois de tomada a decisão, um grupo formado por Degrazia, Roque Andres, Francisco Fontela, Beto Ayub e Wolmer Jardim reuniam-se aos finais de tarde na fazenda de Degrazia para conversar informalmente sobre o projeto da rádio. José Carlos Rocha Almeida, conhecido na mídia de São Borja como Deco Almeida, afirmou que a criação da FM também se deve a um fator mercadológico que era o de diversificar o serviço oferecido pela Empresa Samborjense de Comunicações Ltda no rádio e, ao mesmo tempo, atender a um público específico, mais elitizado.

Mas, voltando ao inicio do projeto da rádio FM, o grupo fez várias viagens à Brasília, tentando conseguir uma concessão. Degrazia afirma que, inicialmente, a proposta era abrir uma emissora nova que não pertencesse a Empresa Samborjense de Comunicações Ltda e que pudesse até mesmo fazer certa concorrência com a Rádio Cultura AM: “a idéia era para ser tipo uma concorrência, até mesmo para haver uma motivação para outra rádio. A gente teria uma concorrência. Ainda haveria pessoas da Empresa Samborjense de Comunicações trabalhando nela”. Porém, o grupo foi informado de que a concessão de um novo veículo FM é um processo muito mais burocrático do que a liberação de concessão para uma empresa que já possui outra emissora, principalmente, se for uma AM. Tanto é verdade que a partir do momento que se decidiu criar a Fronteira FM ligada à empresa do Roque Andres a concessão demorou apenas seis meses para ter sua liberação.

A empresa de Andres investiu em equipamentos modernos considerados de primeira linha pela qualidade e potência. O dinheiro usado para compra foi uma espécie de empréstimo que a própria Empresa Samborjense fez para implantação da FM que, devido ao sucesso alcançado pela emissora, foi logo reposto: a FM recebeu um grande número de apoio publicitário que permitiu sua rápida consolidação na comunidade Samborjense. O atual gerente da emissora, Deco Almeida, disse que ela começou a funcionar no prédio da General Marques 998, onde, atualmente, funciona a Farmácia Phormula e no início da década de 90, a Rádio Fronteira FM mudou de endereço. Foi para e rua Riachuelo, 980, mesmo prédio da rádio Cultura AM. A Fronteira FM logo ocupou um espaço na sociedade principalmente em relação ao tipo de programação oferecida, pois diferente da Cultura AM (que privilegia a notícia e uma programação mais popular), apresentava música e notícias curtas com uma linguagem mais direcionada a um público específico, elitizado, que respondia diretamente no aumento das inserções publicitárias. Deco Almeida ainda ressalta que: “hoje a rádio Fronteira FM busca não ser tão maçante como a rádio Cultura AM, ela procura ter uma programação mais musical, notícias curtas e educativas”.

Antes da inauguração existiu uma campanha nos meios de comunicação para sensibilizar a comunidade para que ouvisse a nova rádio que entraria no ar primeiramente em caráter experimental para depois, se aprovada pela audiência, em caráter definitivo.


Técnico Serzo Brites, na inauguração do equipamento da Fronteira FM


Assim, em 20 de outubro de 1984 inaugura oficialmente em São Borja, a rádio Fronteira FM. O nome da rádio era em homenagem a uma antiga rádio de São Borja, a Fronteira do Sul AM que foi fechada no período da ditadura militar. Segundo Degrazia o nome da rádio seria “Vale do Butuí” caso fosse um grupo diferente que tivesse conseguido a concessão. O jornalista e colaborador da Fronteira FM Alberi Cogo reitera as palavras de Almeida quando afirma que a rádio “surgiu pela necessidade de mercado e para preencher uma lacuna de rádio FM na cidade”. Cogo ainda afirmou que “nos seus primeiros anos possuía uma programação musical mais elitizada, com musicas eruditas e MPB, sempre voltada para o entretenimento, como cultural, não exatamente ao jornalismo como é conhecido nas rádio AMs”

Outra entrevistada, Otália Pereira, professora universitária, jornalista e funcionária da rádio, mencionou um fato ocorrido na história da Fronteira FM, na década de 90, quando esta entrou em cadeia com a Rádio Líder, de São Paulo, que tinha um ritmo e padrão diferente do que o ouvinte da Fronteira FM estava acostumado a ouvir. “A comunidade rejeitou violentamente porque na programação não havia nenhum traço de identidade cultural com a cidade” esclareceu Otália. Essa parceria não deu certo porque conforme Deco Almeida “houve uma reclamação por ter pedido a identidade, ter se tornado uma rádio mais paulista, e não era isso que a comunidade queria”.

A Fronteira FM não possui departamento de notícias, e as que são veiculadas pela rádio tem na sua associada, a rádio Cultura AM.

Os jornalistas são os mesmos para as duas rádios e do Jornal Folha de São Borja, que pertence ao mesmo grupo jornalístico. De acordo com Leoni Escobar Dorneles, locutora que trabalhou na empresa em 2003, nos últimos cinco anos a programação da rádio Fronteira FM vem sofrendo mudanças. Estilos musicais mais populares começaram a ganhar espaço, por solicitação da audiência. “Há por parte da empresa zelo pela imagem dos profissionais que nela trabalham. Pretende-se manter um padrão de qualidade não só pelo desempenho dos profissionais como também por sua conduta social no meio em que vive. Em suma, a imagem do colaborador perante a comunidade conta pontos em seu ambiente de trabalho, sendo a avaliado constantemente como um todo” afirma Deco.

É também preocupação da rádio Fronteira FM manter um padrão de atuação de suas equipes nas atividades do dia-a-dia.





Um comentário:

  1. Ola, boa noite, ha muito tempo atras entre 1985 a 88, conforme um amigo que morava em São Borja, curtia na radio e na danceteria Frater uma musica.

    https://www.4shared.com/mp3/SHVN1GDBce/DESVENDAR_AUDIO_ANOS_80.html

    desde ja agradeço se alguem souber o nome dessa musica

    Mauricio
    email: estrelaproducoes@hotmail.com

    ResponderExcluir

Portfólio: Cezar Brites

create with flickr badge.